1 de setembro de 2013

desejos dos mortos (kimberly derting)


Sinopse: Enquanto tenta manter seu segredo, Violet, involuntariamente, torna-se objeto de uma perigosa obsessão. Seu primeiro impulso, como sempre, seria pedir ajuda ao melhor amigo, Jay – porém, agora que os dois são um casal, as coisas não funciona mais assim. Ele passa cada vez mais tempo com um novo colega, Mike, e Violet tem oportunidade de sobra para pensar e repensar sobre o que, afinal, está fazendo seu namoro dar errado. É então que ela se dedica a investigar a vida do récem-chegado Mike, e diante da trágica história familiar do garoto Violet se depara com uma verdade capaz de colocar todos eles em extremo perigo.



Violet tem um dom: ela encontra ecos de pessoas assassinadas. E além de Violet poder encontrar esses ecos nas vítimas, o assassino carrega a mesma marca. Seja um cheiro, um som. 
Esse segundo livro começa com Violet encontrando um eco num container, trancado, em meio a um passeio com a amiga. Mas como ajudar esse eco de uma forma que ninguém saiba que ela está envolvida? Claro, um telefonema anônimo. Só que esse telefonema não sai como Violet esperava. Através das câmeras de segurança, o FBI chega até ela e a pressiona: como ela sabia do corpo?
Além de ter que se desviar do FBI, ela começa a receber trotes, ligações e bilhetes ameaçadores. Inclusive, um gato morto na porta da sua casa. Em meio a tudo isso ela ainda vê seu namoro começar a decair. Agora que ela e Jay são namorados, ela não tem a mesma abertura e confiança pra contar absolutamente tudo pra ele (na verdade, é o que ela pensa), e passa o livro todo guardando TUDO pra si. Enquanto isso, Jay vira melhor amigo de Mike, o novo garoto-popular, que tem uma história de família macabra.


Achei que esse livro deixou muito a desejar, porque o primeiro foi muito melhor. Nesse segundo livro a Violet tá chata, ciumenta e burra. Depois do que ela sofreu no primeiro livro, era de se esperar que ela não guardasse tudo pra si, nem quisesse fazer tudo sozinha. Ledo engano.
O final foi óbvio, da metade em diante, já se tornava previsível o que ia acontecer, e isso meio que me decepcionou em continuar a série (o terceiro volume, O Último Eco, será lançado em abril do ano que vem). Minha opinião: o livro é de uma leitura rápida e fácil e me parece que faltou só um tiquinho de vontade da autora em elaborar um pouquinho mais a história.
Aliás, tenho que dar mais um puxãozinho de orelha na editora Intrínseca: assim como no primeiro, esse segundo livro tem muitos erros de revisão. Não sei vocês, mas isso é uma coisa que me incomoda, e muito!


Alguém aí já leu ou pretende conhecer a série? :)




6 comentários

  1. É muito chato quando a gente começa uma saga e tem algum livro entre eles que não é tão bom assim... Desanima a gente, né? Mas fiquei interessada em começar a ler, quem sabe ;)
    beijos
    setevidasfelinas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olha, nem me fala débora! mas sou daquelas teimosas (e curiosas) que precisam saber como termina, sabe? mesmo que me fruste depois, haha
      beijos!

      Excluir
  2. Eu tenho muita vontade de ler essa série porque adoro temas assim, mas é ruim quando a história vai decaindo a cada volume. Mesmo assim, acho que vale a pena ler o 3º livro para saber como tudo vai acabar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. é ruim isso, mas sou bem teimosa, quero saber como termina, né!?

      Excluir
  3. Desculpa reparar kkkk.. Mas seus olhos são claros? *O*
    Booom, em relação a resenha, adorei! Eu nunca ouvi falar desse livro, pelas fotos já adorei essa capa. Nunca li séries e sagas de livros, esse deve ser a parte ruim: se um dos livros não corresponder nossas expectativas.

    Sweet Teen

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. sim, são azuis! hahahaha é que a foto do perfil não favorece eles, haha

      Excluir

respondo os comentários aqui mesmo, no post.
mas sempre passo dar uma visitinha (e comentar).
fique a vontade ♥

Copyright © 2015 | Design e Código: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo